19 de setembro de 2016

Artur Bolinha diz que vai municipalizar distribuição de água de Campina Grande

campina2O candidato do PPS à Prefeitura de Campina Grande, Artur Bolinha, prometeu retirar da Cagepa a gestão das águas de Campina Grande e municipalizar o serviço. A proposta foi feita durante entrevista realizada à apresentadora Denise Delmiro no JPB 1ª edição, da TV Paraíba. O candidato falou ainda de questões como transparência no São João da cidade, apoio político, contratação de concursados e educação. O debate sobre a situação hídrica de Campina Grande, entretanto, dominou a conversa.

Artur Bolinha afirmou que a municipalização do abastecimento de água irá trazer benefícios para a população. “Atualmente, toda a receita obtida vai para a Cagepa, para João Pessoa”, disse ele. “Com a municipalização, concentramos todos os recursos em Campina Grande”. Segundo ele, a concentração da receita no município irá permitir maiores investimentos na rede de distribuição da cidade, investir no tratamento de esgotos e viabilizar a realização do projeto Multilagos. “Além disso, hoje Campina Grande e João Pessoa pagam um valor mais alto à Cagepa para subsidiar os custos de outros municípios. Com a municipalização do serviço, esse valor não é necessário e a conta de água da população vai ficar mais barata”, prometeu.

Questionado sobre sua atuação para melhorar a situação hídrica da cidade enquanto presidente de Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) (cargo que já não mais ocupa) e empresário, Artur Bolinha disse que a CDL foi em 2014 a Brasília cobrar o projeto de transposição do rio São Francisco. “O problema hídrico de Campina Grande é um resumo do descaso dos políticos que estão aí, que não criaram nenhum projeto para dar sustentabilidade hídrica à cidade”, afirmou.

São João

Bolinha afirmou que pretende profissionalizar e ampliar a capacidade econômica do São João de Campina Grande para atrair mais investimentos de patrocinadores. “Pretendemos apresentar o projeto às empresas muito mais cedo do que é feito atualmente e divulgar o São João em eventos nacionais já a partir de janeiro”, disse, acrescentando que vai abrir todas as contas do evento para consulta. “Nunca foi divulgada a conta do São joão, quanto custa, o que entra de receita, onde o dinheiro é gasto”, declarou.

Uma das propostas de Artur Bolinha é criar um espaço permanente para ensaios de quadrilhas. “Nossa ideia é fazer com as quadrilhas juninas o que ocorre com as escolas de samba no Rio de Janeiro, que têm seu espaço o ano inteiro”, afirmou. “No momento em que Campina Grande tiver um prefeito que não esteja preocupado em contratar cabo eleitoral para trabalhar em campanha e priorize as pessoas, a cidade vai dar um grande salto e projetos como esse serão possíveis. A cidade precisa de mais gestão e menos política”, disse.

Apoio da população e privatizações

Questionado se não teria dificuldade em alcançar apoio da parcela mais pobre da população por sua atuação como empresário, Artur Bolinha disse que já percebe apoio de todos os eleitores durante sua campanha. “A população está cansada e quer mudança, não só mudanmça de nome mas acima de filosofia. Sou uma pessoa de origem humilde, ex feirante, e por isso tenho sensibilidade para perceber a necessidade do povo”, afirmou.

campina3A proximidade do candidato com o empresariado também provocou questionamento sobre privatizações. “Nós pretendemos incentivar parcerias público-privadas apenas no sentido de obter mais investimentos, mas não vamos realizar privatizações, e isso fica claro na nossa proposta de municipalizar os serviços da Cagepa”, declarou Bolinha.


Escolas em tempo integral

O candidato prometeu construir 18 novas escolas com estrutura para ensino em tempo integral. “Hoje em dia só temos duas escolas com estrutura para tal – uma em Pedregal e outra em São José da Mata; queremos construir mais 18 para totalizar 20 escolas funcionando em tempo integral”, prometeu.

Contratação de funcionários sem concurso

Bolinha disse que dará prioridade aos funcionários concursados. “Apenas em casos excepcionais podemos considerar a contratação de comissionados”, disse. “Além disso, pretendemos destinar 20% dos cargos de confiança para que sejam ocupados por servidores de carreira”, prometeu.

Apoio político

Questionado sobre a pequena base política que tem em torno de si – Bolinha é apoiado apenas pelo seu partido, o PPS, e o do seu vice, o PHS – o candidato afirmou que contará com o apoio da população para garantir sua governabilidade. “Qualquer governante, se acertar, terá o apoio da população”, afirmou. “Além disso, a Câmara de Vereadores não vai se opor a projetos positivos. Se quiserem se opor por picuinha política, não vamos virar reféns de ninguém: dialogarei direto com a população”, completou.

Próximas entrevistas

Os próximos candidatos entrevistados são Veneziano Vital do Rego (PMDB), nesta terça-feira (20); Romero Rodrigues (PSDB), na quarta (21); David Lobão (PSOL), na quinta-feira (22); Adriano Galdino (PSB), na sexta-feira (23); e Walter Brito Neto (PEN), no sábado (24).