2 de outubro de 2016

Mais sete municípios da Paraíba recebem tropas federais aprovadas pelo TSE

Exército pode auxiliar segurança das eleições no Sertão (Crédito: Divulgação)

Exército pode auxiliar segurança das eleições no Sertão (Crédito: Divulgação)

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aceitou mais um pedido de atuação das tropas federais no âmbito das eleições 2016. O presidente da Corte, ministro Gilmar Mendes, aceitou o pedido feito pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da Paraíba para reforçar a segurança em mais sete municípios. Com a decisão, tropas das Forças Armadas e da Força Nacional vão atuar em Areial, Montadas, Lagoa, Paulista, São Bentinho, Cajazeirinhas e São Domingos de Pombal.

Ao todo, 19 cidades da Paraíba contam com o apoio de soldados do Exército Brasileiro para ajudar na segurança dos pleitos municipais e evitar crimes eleitorais. O TSE já havia autorizado o envio de tropas federais para 12 municípios da Paraíba. O cordão foi puxado pela cidade de Campina Grande, onde já há uma tradição no envio de reforço do Exército para manter a tranquilidade no pleito. O pedido foi julgado pelo ministro Napoleão Nunes Maia Filho, que defendeu o deferimento e foi seguido pela corte. Ele ressaltou, durante a sua explanação, que o governador Ricardo Coutinho (PSB) foi questionado pela corte e assegurou que teria condições de garantir a segurança na cidade, mas que não se oporia ao envio.

Já o ministro Luiz Fux foi o responsável pela análise do pedido de tropas federais elaborado pelos juízes da 35ª e da 63ª zonas eleitorais, com sede em Sousa. Ele defendeu o deferimento com base no histórico de incidentes descrito pelos magistrados. Além de Sousa, a comarca reúne os municípios de Marizópolis, Lastro, Aparecida, Santa Cruz, Nazarezinho, Vieirópolis, São Francisco e São José da Lagoa Tapada. Também foi aprovado tropas para Esperança.

Sob a relatoria da ministra Rosa Weber, foi deferido o envio de tropas federais para a cidade de Pombal, no Sertão. A ministra relatou que consultou o governo do Estado e Ricardo Coutinho assegurou que teria condições de garantir a segurança na cidade durante o pleito, mas adiantou que não se oporia ao envio. Ela, no entanto, disse ter se guiado pelo relato da magistratura local, que anexou no pedido um relatório elaborado pelo Grupo Tático Especial da Polícia Civil da Paraíba em que reconhece o risco de real de ação criminosa de bando fortemente armado com potencial de prejudicar a eleição.

Agência Brasil com Blog do Suetoni