20 de setembro de 2016

Veneziano assegura implantação de VLT em Campina Grande

Veneziano respondeu aos questionamentos da apresentadora Denise Delmiro (crédito: Reprodução TV Paraíba)

O candidato à prefeitura de Campina Grande, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), assegurou a viabilidade da implantação de um Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), com passagem custando R$ 1 real. As declarações foram dadas durante entrevista à jornalista Denise Delmiro, na edição desta terça-feira (20) do JPB 1ª edição, da TV Paraíba. O peemedebista também respondeu questões relacionadas a escândalos e denúncias de quando foi prefeito de Campina, entre 2005 e 2012 e a conversa ganhou um tom de cobrança às promessas não cumpridas na gestão do candidato. A entrevista teve quinze minutos de duração.

O primeiro questionamento feito ao candidato foi com relação as denúncias feitas pelo tesoureiro da gestão de Veneziano, Renan Trajano, sobre um suposto desvio de R$ 10 mi de reais da prefeitura e também sobre a condenação de alguns secretários do peemedebista por improbidade. O candidato respondeu dizendo que os processos estão sendo arquivados. “Sobre as denúncias, todas elas estão sendo arquivadas. Eu tive as oito contas, e posso me apresentar tendo cumprido a minha obrigação, não foi favor, mas eu posso voltar as ruas de Campina”, disse o prefeitável.

Veneziano complementou a resposta dizendo que as acusações são questionamentos feitos pelos adversários e disse ainda que os investigados devem apresentar suas próprias argumentações. “Eu apenas posso te garantir que todas as representações não passaram de interesse político-partidário. Não é atoa que nós, além de termos as contas aprovadas pelo TCE, temos tido essas acusações arquivadas”, justificou.

Lixo nas ruas

O fim da gestão de Veneziano, em dezembro de 2012, foi marcada pela paralisação na coleta de lixo urbano, o que provocou o acumulo de materiais em várias ruas da cidade. Sobre esse caso, o postulante a prefeito alegou que o episódio não passou de uma sabotagem feita pela empresa responsável pela coleta e até mesmo por pessoas ligadas ao seu governo. “Uma sabotagem por parte daqueles interessados que desejariam permanecer no novo governo que se instalaria a partir de janeiro. E foi exatamente isso que aconteceu. Tudo foi uma manobra, disse Veneziano, alegando ainda que os motivos para a sabotagem foi o fato de ele ser um potencial candidato ao governo do Estado.

VLT

O candidato foi questionado que a proposta de implantação de um Veículo Leve Sobre Trilhos foi feita em outras campanhas e não cumprida. Veneziano justificou dizendo que não houve tempo para implantar o serviço de transporte. “Não tive o tempo hábil para a implantação. O projeto previa primeiro o financiamento pelo BNB e BNDS, o estudo do projeto que foi feito por ambas instituições. A última parte caberia apenas a Secretaria do Tesouro Nacional para que nós acessássemos esse financiamento”, disse o prefeitável.

Sobre a viabilidade do VLT com passagem a R$ 1 real, Veneziano garantiu que é algo praticável, já que não seria preciso investir na malha ferroviária. “Nós já temos a malha ferroviária, apenas precisamos fazer a sua manutenção. Colocar estações singelas, agregando valor e condições para aqueles (bairros) que são mais vulneráveis. Os investimentos são diminutos quando você tem a malha ferroviária a nossa disposição”, disse.
Terminais de Integração

Veneziano teria prometido entregar seis terminais de integração em Campina Grande, durante sua gestão. Neste período, apenas dois equipamentos foram entregues. O candidato voltou a dizer que não houve tempo para entregar os terminais e falou que, se eleito, vai ampliar os que já existem e melhorar a infraestrutura nas ruas. “Nós começamos a investir no programa vias abertas, foram R$ 130 mi em 650 ruas, ou que nós asfaltamos, ou que nós pavimentamos. Hoje Romero faz trechos de ruas sem colocar drenagem, sem colocar esgotamento sanitário,” disse.

Servidores Públicos

O prefeitável também citou a relação que mantinha com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais durante sua gestão. “Nunca houve uma greve por falta de recebê-los. Eu recebi o Sintab 23 vezes. Eram discussões naturais. Nós implantamos o calendário de pagamento dentro do mês, Romero acabou. Nós fizemos todos os Planos de Cargos, Carreiras e Remunerações, Romero não consegue seques respeita o PCCR dos servidores da saúde. Nós sempre concedemos reajustes salariais a todos os servidores. Fizemos onze concursos públicos. Romero prefere, utilizando o instrumento eleitoreiro, convidar prestadores”, pontuou.

Feira Central

Veneziano também foi questionado sobre os motivos pelos quais a obra de revitalização da Feira Central não foi concluída durante seu governo e o prefeitável alegou que conseguiu iniciar a obra e deixou recursos para que ela fosse finalizada. “Nós fizemos a desapropriação para o estacionamento e as primeiras intervenções de drenagem e esgotamento. Sabemos que a Feira Central, que é um patrimônio nosso, está fincada no Centro de Campina Grande, então qualquer modificação tem que passar pelo Instituto do Patrimônio, só esta aprovação foram oito meses. Iniciamos a obra já no segundo semestre de 2012. Deixamos R$ 21 mi para que Romero pudesse sequenciá-la, mas nós iniciamos.

Próximas entrevistas

Os próximos candidatos entrevistados Romero Rodrigues (PSDB), nesta quarta (21); David Lobão (PSOL), na quinta-feira (22); Adriano Galdino (PSB), na sexta-feira (23); e Walter Brito Neto (PEN), no sábado (24).