24 de setembro de 2016

Walter Neto rejeita coligação e diz que partidos são de mentirinha

Walter Brito Neto foi entrevistado pela jornalista Denise Delmiro no JPB 1ª Edição (Crédito: Reprodução/TV Paraíba)

Walter Brito Neto foi entrevistado pela jornalista Denise Delmiro no JPB 1ª Edição (Crédito: Reprodução/TV Paraíba)

O candidato a prefeito de Campina Grande, Walter Brito Neto (PEN), parafraseou o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para justificar a passagem por vários partidos políticos e concorrer às eleições municipais deste ano em voo solo sem nenhum nenhuma coligação. “No Brasil, os partidos são de mentirinha”, cravou o prefeitável. A declaração foi feita durante entrevista ao JPB 1ª edição, da TV Paraíba, afiliada da Rede Globo, neste sábado (24), quando respondeu às perguntas da jornalista Denise Candidato Delmiro. Ele encerrou o ciclo de entrevistas com os prefeitáveis e abordou temas como indeferimento do registro de sua candidatura pelo TRE, infidelidade partidária, Uber, aborto, crise hídrica e São João.

Registro indeferido

Na abertura da entrevista, Walter Neto foi indagado por Denise Delmiro sobre o indeferimento do registro de sua candidatura a prefeito pelo Juízo da 16ª Zona Eleitoral, decisão mantida pelo Tribunal Regional Eleitoral por problemas na prestação de contas da campanha para deputado em 2014. “A Justiça cometeu um grande equívoco. Nós prestamos contas”, frisou o prefeitável que está disposto a bater a porta até do Tribunal Superior Eleitoral.

Infidelidade partidária

As sucessivas mudanças de filiações partidárias foram abordadas por Denise Delmiro. “Como diria o ministro Joaquim Barbosa, os partidos são de mentirinha”, afirmou Walter Neto, que relegou as ideologias das agremiações partidárias. Diante disto, ele frisou que prefere não se coligar com outras legendas, principalmente das envolvidas com a Operação Lava Jato. Em relação ao fato de o presidente municipal do PEN, Bruno Regis, não apoiar sua candidatura a prefeito, Walter Neto disparou: “Ele é quem deve se explicar”. Em seguida, asseverou que “meu partido é Campina Grande”.

Uber

Ainda na entrevista, ele defendeu o funcionamento do Uber em Campina Grande. Trata-se de um aplicativo que apresenta motoristas particulares a quem estiver precisando de uma ‘carona’ e está presente em mais de 300 cidades em 56 países. O sistema tem gerado protestos de taxistas em várias cidades do Brasil. “O Uber pode contemplar quem faz o transporte irregular”, defendeu o prefeitável, que também prega com consenso com os taxistas.

Aborto

Evangélico, Walter Brito Neto defendeu, no JPB 1ª Edição, a implantação do cadastro municipal de gestante na maternidade municipal do Isea. Para ele, o procedimento vai servir para dar transparência ao pré-natal e detectar as gestantes que fazem aborto ilegal. Ainda na área de saúde, o candidato pregou a criação de centros de reabilitação de viciados em drogas. “A questão das drogas é de saúde pública”, acentuou.

Crise hídrica

O prefeitável culpou, durante a entrevista, os gestores públicos pela crise hídrica em campina Grande. Ele defendeu a implantação do Projeto Multilagos com 15 pequenos açudes, bem como a utilização a água do açude José Rodrigues, no Distrito de Galante. Ele disse que a água é suficiente para indústrias e para a população daquele distrito.

São João

Em relação aos festejos juninos em Campina Grande, Walter Brito defendeu a criação do São João Rural, o que chamou “à moda antiga”, além de mudanças na estrutura do Parque do Povo. “Defendo a mudança do local do show que deve acontecer em outro local”, pontuou o candidato. Ele disse que não existem saídas de emergências no Parque do Povo e nos grandes shows pode haver acidentes.